sábado, 24 de maio de 2008

"As pedras também não são eternas"


Lançamento do primeiro livro de poemas de Viegas Fernandes da Costa não deixa dúvidas: ainda se faz boa literatura!


Quem já tinha lido Sob a Luz do Farol e sentiu-se satisfeito, ficará surpreso ao conhecer o primeiro livro de poemas do escritor Viegas Fernandes da Costa. Porque aquela prosa fragmentada de antes (não creio que conjunto de crônicas algum terá sentido maior do que a mão que as escreve) prepara o leitor para o que há de vir. E o que vem é este belo exemplar de “De espantalhos e pedras também se faz um poema”.

O poema, a meu ver, antes de tudo, é o próprio livro, o exemplar que se segura nas mãos. Impresso em linotipo, o volume, nas palavras do próprio Viegas, pretende afrontar o livros impressos na off-set, os livros “pós-industriais, pós-modernos, pós-livros”. Acontece que, conhecendo Viegas, pude logo ver que o que afrontaria seus leitores não seria o exemplar (o ferro, a tinta, a pressão sobre o papel). Quem afronta, realmente, é o poeta. Lá está.

“De espantalhos...” está dividido em três partes: O Livro das Pedras, Espantalhos no Deserto e Ecos de Mim. Lendo, relendo, passeando ou perdendo-se por estas páginas, surge a necessidade de revidar a insistência do autor em dizer que “não há uma unidade temática neste livro – não a procurem”; daí nós ignorarmos a recomendação e embarcarmos rumo à busca de uma unidade, uma significação para “De espantalhos...” que vá além da coletânea de poemas. Embarquemos!

O LIVRO DAS PEDRAS

Há em todo este livro uma grande necessidade de chocar, pôr o leitor contra a parede e exigir deste um ato, um gesto, uma resposta. Desde o primeiro grito, quando o poeta divide sua angústia com “AS PEDRAS TAMBÉM NÃO SÃO ETERNAS”, o leitor começa a envolver-se com um mundo que não é literário, imaginativo ou idealizado. É este nosso mundo que encontramos nos poemas de Viegas. E talvez seja por isso que não consigamos sair ilesos.

O Livro das Pedras é uma surpresa. Não somente pela unidade do tema (lá no título já nos é avisado, na verdade), mas por ser breve e direto, como em “A pedra no meio do rio, afronta / como pedra no meio do rio, / em silêncio, o tempo e as águas”. Novamente, o poeta é bondoso conosco, ingênuos leitores, e há novamente a preparação para o que há de vir. Coitados, o que seria de nós ao entrar despreparados em Espantalhos no Deserto.

ESPANTALHOS NO DESERTO

Rápido, é preciso ler rápido. Leitor, não brinque por estas páginas, senão a realidade acaba batendo à tua porta e tu te mijas todo! Já tinha lido assim em Murilo Mendes, talvez algo em Vinícius-poeta, e só não fiquei muito feliz por ter lido em Viegas poemas tão cruéis, porque a felicidade não pode acompanhar uma leitura de Instantâneos, Canto Guajira, 1964 ou Quem Plantou os ?Cem Plantou os ?C tVinnr a textura, o gosto das pedras; ouve-se aliCogumelos?. Não. O que se vê por aqui é justamente um contato com o mundo caduco, cruel, triste, revelado pela sensibilidade de quem consegue tornar em poema aquilo com o que sequer conseguimos manter contato.

Para não dizer que Espantalhos no Deserto é somente estupor, susto e azia, lemos ali o antológico Impressões do Vale. O poeta, desta vez, analisa a vida em uma cidade que poderia ser qualquer uma, desde que cortada por um rio qualquer, um “rio que zomba delas, / a veia de merda que vaza / do leito que não dorme. Conseguimos nos enxergar ali? Todo o tempo! Seja na figura da moça fiandeira, nas formigas que “todos os dias, em carreiras, enchem os ônibus”, naqueles que “invejam o ócio que reprimem com bocejos de cansaço”. Sim, podemos nos ver todo o tempo ali, todo o tempo, e não temos a menor vergonha por isso.

ECOS DE MIM

O que lemos em Ecos de Mim, capítulo que fecha o livro, é justamente a abertura. O poeta, de peito aberto, entrega-se em poemas intimistas. Adultos, infantis, o poemas de Ecos de Mim põem-nos a dois passos do Viegas que compõe versos, mas esse encontro, o toque, não é possível, já que o poeta ou esconde-se nas sombras (Nas dobras das sombras) ou esconde-se dentro de si mesmo (Ecos de mim).

O que fica? Esta terceira e última parte de “De espantalhos...” já não é tão dura. O mundo, agora, não é o nosso, é o mundo do poeta. Contemplamos e buscamos compreender, queremos ajudar, ouvir o que mais aflige o compositor. O último capítulo bem poderia ser o primeiro. É leve, mesmo que tenha a mesma força dos outros dois cadernos. Não dá pra saber, por aqui, se conseguimos alcançar o sentimento que teve o poeta ao compor estes poemas. Nunca saberemos, e talvez seja esta a pergunta que ecoe: “Poeta, e agora?”.

Muito boa a leitura de “De Espantalhos...”. Confesso a surpresa boa de quem não esperava o que ler e acabou encontrando o que somente talvez supusesse: um poeta que não escrevesse sobre seu umbigo, como se acostumaram a fazer tantos, e que levasse a sério o ofício da escrita. Talvez seja esta a grande unidade deste livro: a seriedade. Sério como poucos, poeta como poucos, Viegas Fernandes da Costa mostra-se uma Polaroid por demais ciente do que significa poetar.

E a quem ainda não chegou a dura voz da realidade, ela esta ali, nas páginas rudes de “De espantalhos e pedras também se faz um poema”. Ouse ouvir, leitor, que depois a gente conversa.

9 comentários:

Anônimo disse...

Caro Labes, vou ler a obra do Viegas porque o mundo sem poesia
é desmundo.
Gostei de conhecer este seu espaço e gostei da leitura que fez deste
lançamento.
Abraço da Fatima/Laguna - SC

Labes disse...

Olá, Fátima, muito prazer! Bom que apareceste por aqui. O livro do Viegas, eu insisto: precisa ser lido. Agora, que um mundo sem poesia é desmundo, eu concordo. Mas um mundo com poesia ruim, o que é?

Grande abraço.

Anônimo disse...

Aeh Labes ! Voce me fez uma proguntinha danada de difíci e fiquei matutando uns dias, mas acho que hoje posso lhe respondê:
Sua questã: "Mas um mundo com poesia ruim, o que é?"
Minha opiniã: Minino!Um mundo com poesia ruim é uma CANSEIRA SÓ!
HAHAHAHAHAHAHAHHAHAH
P.S.: Labes tua pergunta dá uma crônica, e daquelas que primeiro a gente ri, e dispois a gente chora.
Abraço grandalhão da Fatima.

Rodrigo Oliveira disse...

Saudações, Labes. Tenho os blogs no feed há algum tempo mas só agora resolvi quebrar o silêncio do lado de cá e comentar. Estou lendo "De Espantalhos..." agora, então vou esperar para comentar sobre o livro. E tb espero pelo Falações. Pelo que o Viegas e o Endoença comentam, e pelos seus textos aqui, promete. Fica o reconhecimento de um leitor, a partir de agora provavelmente, menos silencioso.

Labes disse...

Rodrigo, muito boa a quebra do teu silêncio. Penso, às vezes, que o que este blog mais necessita é de leitores atentos.

Espero que comentes tua leitura de "De espantalhos..." Por que não começamos um diálogo?

Sempre digo ao Viegas que o objetivo deste blog é criar diálogos que recriem o que é escrito aqui, seja a favor ou contra meus pontos de vista.

Também estou ansioso pelo lançamento do livro, que deve acontecer nas próximas três semanas. Estranho haver entusiastas. A meu ver, trata-se de um livro de poemas. Acho que comecei a me distanciar do conteúdo de Falações justamente para conseguir ouvir o que as pessoas dirão a respeito.

E espero, afinal, que tu sejas um leitor que diga o que percebeu por aquelas páginas. Porque, como disse, te li, e vi que escreves um tanto sobre assuntos vários.

Tomara que esta edição de Falações te faça querer escrever a respeito. É pelo que mais anseio agora.

Grande abraço.

Labes.

Rodrigo Oliveira disse...

Labes, acho q o diálogo já foi começado :)E aproveitando a iniciativa, deixei as minhas impressões sobre "De espantalhos" no meu blog. Sinta-se convidado pra dar uma olhada e comentar. Talvez com esses diálogos, online e offline, as boas publicações por aqui vão sendo mais levadas a sério. Ou ao menos mais discutidas. Abraço.
Rodrigo Oliveira

Viegas Fernandes da Costa disse...

é muito gratificante saber nossa obra lida e debatida. Li o teu texto, Labes, bem como o do Rodrigo, e ambos estabelecem um diálogo e enriquecem o "De espantalhos... ". Talvez a maior carência que temos na literatura do Vale não seja a de bons textos, porque estes existem sim, mas de textos que pensem estes textos, de leituras que enriqueçam a palavra primeira. O importante é sabermos que, ainda que timidamente, estes espaços vão sendo ampliados. Quando fiz a entrevista com o Endoença para o Sarau percebi que na década de 80 havia sim um debate literário aqui na região, e que este debate perdeu-se, um pouco. Ficou o Endoença como um Quixote, mas praticamente sozinho. Quem sabe podemos resgatar isso, e avançar. Será bom, será muito bom para os quer escrevemos por aqui, e para os que lemos o daqui.
Abraço forte e fraterno,
Viegas

Janos disse...

Visita lá:

http://janosbirozero.googlepages.com

Adalberto Day disse...

Marcelo Labes
Com muita satisfação que recebi seu comentário e sugestão para ver o seu maravilhoso blog falações. Já coloquei em meus favoritos, e pretendo todos os dias ler alguma coisa, cheguei até onde você cria um impacto “Quem nasce no Brasil ou é brasileiro ou é traidor” – muito legal. A forma como você aborda os assuntos também é sensacional.
Continue assim nos deliciando com seus belos textos.
Abraços Adalberto Day Cientista Social e pesquisador da História.