terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Mais falações em 2010.

A desculpa que vinha usando para manter este espaço silencioso era que, afinal, havia me proposto a escrever sobre a literatura blumenauense ou, para soar melhor, produzida a partir de Blumenau.

Acontece que depois de falar de velhos e de novos autores, não havia lá muito assunto. E se entrasse na discussão recorrente das agremiações literárias que poluem nossos sentidos com sua vasta produção, acabaria deixando de dar valor ao que valor de fato tem.

Pois que 2009 foi um ano interessante, com lançamentos interessantes, boas leituras e um ou outro evento (pseudo) literário de algum valor. Talvez que eu venha me referir a eles no início de 2010, talvez não.

De qualquer forma, sinto falta de discutir e ver discutida a produção local. E se a minha discussão parece tosca eu digo: por mais simples que seja, existe e, vez em quando, causa algum eco. É atrás desse eco que vou. Sim, porque de masturbação já estamos todos (?) - retomo: de masturbação já deveríamos estar todos cansados.

Pois bem: que venha 2010 e, com ele, novos diálogos acerca de literatura, pseudo-literatura, não-literatura ou simplesmente culinária.

6 comentários:

Viegas Fernandes da Costa disse...

eis então, Labes, esta notícia que me deixa feliz.
Abraço,
Viegas

Rodrigo Oliveira disse...

Ah! que belíssima, belíssima notícia! Há muito que sinto falta do Falações. O espaço primeiro, que conheci, a se deter para cá. O espaço que fez comprar um Neuert no sebo pra ver qual é. E que, de um jeito ou de outro, e com ajuda de um ou de outro, impulsionou pra procurar o que mais se encontra por aqui. De zunino, de tenfen, do endoença, do viegas, da urda e do que mais possa surgir e descobrir-se. Longa vida ao Falações. E quanto ao eco, tentemos então reproduzir algo, sem pretenção. Se não der sempre com palavras, com palmas então.

Fábio Ricardo disse...

Que as falações ecoem além das salas de estar dos dito poetas, que se aplaudem a si mesmos chamando-se uns aos outros de poesia blumenauense, com xícaras de chá em punho e dedinho em riste.

Rodrigo Oliveira disse...

Que não seja, então, por falta de eco:
http://roferoli.blogspot.com/2009/12/terra-vazia-e-vaga-de-werner-neuert.html

luizfbw disse...

queria poder comprender o que está alem do compreensivel
como não a nada no mundo que me sustente mais do que o insustentável
vejo que não a saida a nao ser vazar pelo ralo do banheiro
muito além do compreensivel está o que nao pode ser nomeado
muito menos almejado
o porco vomitou os restos dos restos e muito mais
não á porque permanecer inerte,enquanto a merda cai

desejo um dia poder compreender o incomprensivel

luiz escárnio

Anônimo disse...

2010 já começou. aguardamos novas falações...
abençoada Páscoa.
abraço.
maria.